Paróquia de Ruivães. O que por cá se passa e muitos não sabem!
Quarta-feira, 7 de Janeiro de 2009
Regressou à casa de onde fugira há sete anos

Telefonou-me hoje. Feliz. Dos seus cinco filhos, um não lhe falava há sete anos! Nem uma telefonema, nem uma carta, nem uma visita...
Quando vinha à terra- e fazia-o frequentemente - nem aos filhos autorizava que visitassem a avó. Hospedava-se em casa dos sogros, até visitava os irmãos, mas a mãe... Nem vê-la.
Há sete anos, fizera rodeios à mãe para que lhe cedesse um terreno para construir uma casa. Que tal e que coisa, que ele era o que estava mais longe, que era o mais velho, que tinha ajudado a criar os irmãos, que a mãe, ao dar-lhe o terreno pretendido, não fazia mais do que a sua obrigação. Mas era uma mulher justa. Nunca se permitiria prejudicar um filho em favor de outro, por mais que aquele coração gostasse de contentar o primogénito. E lá disse o não que mais lhe custou na vida.
Começou aí o seu calvário maternal. Que se agudizava quando, nas grandes festas do ano, todos se reuniam à sua volta, felizes e contentes. Mas ninguém ocupava no seu coração o lugar do filho fugitivo. Então as lágrimas, que lhe regavam o rosto, eram o seu meio de comunicar a dor sentida.
Quantas vezes, ao saber da estada por cá do filho, procurou aproximar-se dele!
- Então meu filho!...
- Não me chateie! Meta-se na sua vida!
Neste Natal não foi diferente. Mal soube que estava por cá com a esposa e os filhos, rondou, procurou aproximar-se, mesmo sentindo que a evasão do filho era notória e agressiva.
No dia de Natal, ela surgiu-lhe de repente em local onde ele não pôde fugir.
- Então meu filho!
Ainda procurou desviar a cara. Mas de repente, soltou um tímida "atão". Não precisou de mais nada, correu, abraçou o filho, feliz, mesmo sentindo um monte de gelo nos braços. Depois, aquele coração empedernido, como que aquecido pela enorme ternura maternal, lá emanou uma seca ordem aos filhos:
- Cumprimentem a vossa avó.
Delírio. Então pegar no netinho mais novo que nunca havia tido ao colo, deixou-a noutra galáxia.
À noite, jantaram todos em casa de um dos irmãos e ele marcou presença. Não falou quase nada para a mãe, mas pelo menos não a varava com o olhar nem lhe fugiu.
Hoje regressou a Lisboa, não sei antes regressar à casa de onde fugira há sete anos. Para se despedir da mãe.
- Foi um calvário de sete anos. Mas nunca perdi a esperança de reencontrar o meu filho. Deus seja louvado! Este foi o Natal mais feliz da minha vida.

 

In: Asas da Montanha



publicado por Padre às 16:03
link do post | comentar

mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22

24
25
26
27
28
29
30


posts recentes

AVISO

Semana 7 a 13 de Junho de...

5º DOMINGO DO TEMPO PASCA...

4º DOMINGO DA PÁSCOA

Parabéns Bento XVI

1º DOMINGO DA QUARESMA

Entrudo na Misarela

6º DOMINGO DO TEMPO COMUM

5º DOMINGO DO TEMPO COMUM

4º DOMINGO DO TEMPO COMUM

3º DOMINGO DO TEMPO COMUM

A Arquidiocese e o Haiti

2º DOMINGO DO TEMPO COMUM

FESTA DO BAPTISMO DO SENH...

SOLENIDADE DA EPIFANIA DO...

FESTA DA SAGRADA FAMÍLIA

Boas Festas

4º DOMINGO DO TEMPO DO AD...

Chegou a neve

Natal em imagens

3º DOMINGO DO TEMPO DO AD...

2º DOMINGO DO TEMPO DO AD...

1º DOMINGO DO TEMPO DO AD...

34º DOMINGO DO TEMPO COMU...

33º DOMINGO DO TEMPO COMU...

32º DOMINGO DO TEMPO COMU...

SOLENIDADE DE TODOS OS SA...

30º DOMINGO DO TEMPO COMU...

29º DOMINGO DO TEMPO COMU...

Festas

27º DOMINGO DO TEMPO COMU...

25º DOMINGO DO TEMPO COMU...

Chama da Solidariedade

23º DOMINGO DO TEMPO COMU...

21º DOMINGO DO TEMPO COMU...

20º DOMINGO DO TEMPO COMU...

19º DOMINGO DO TEMPO COMU...

Faleceu a mãe do Sr. D. A...

Orientações da Pastoral d...

18º DOMINGO DO TEMPO COMU...

arquivos
tags

todas as tags

links
as minhas fotos
subscrever feeds